Nas alegações finais do julgamento, que está a decorrer no Tribunal de Setúbal, o Ministério Público (MP) considerou que o jovem tinha grande propensão para a violência e não merecia beneficiar de qualquer atenuante.

O arguido, agora com 18 anos, terá assassinado o casal de tios-avós, de 73 e 80 anos, para lhes retirar algum dinheiro e para se apropriar de uma viatura.

Acabou por ser capturado pela GNR pouco tempo depois, na companhia de outros dois jovens, quando se despistou com a viatura roubada aos familiares assassinados.

Na altura, o arguido ficou em prisão preventiva, enquanto que os outros dois jovens, um rapaz e uma rapariga, foram libertados por se ter apurado que nada tinham a ver com a prática dos dois homicídios.

A leitura da sentença está marcada para as 13:30 do dia 24 de maio, no Tribunal de Setúbal.