O número de novos infetados supera, ainda que ligeiramente, o anterior recorde de 10.027 casos de quarta-feira. Trata-se já do terceiro dia consecutivo em que este número ronda os 10.000, já que na quinta-feira foi de 9927.

É também este o valor que indicia que serão mesmo necessárias medidas mais restritas, como um novo confinamento geral, na próxima semana: o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa foi bem explícito em relação a esta fasquia, depois de António Costa já a ter apontado na tarde de quinta-feira.

Quanto aos óbitos, é a primeira vez que se chega à barreira das centenas: o anterior máximo, de 98 mortes em 24 horas, tinha sido assinalado a 13 de dezembro.

O documento assinala ainda 4480 recuperados, um valor de menos de metade dos novos casos, pelo que o número de casos ativos aumenta: são agora 98.938, mais 5578 do que na quinta-feira.

Há ainda mais dois recordes negativos a registar, com dois novos picos nos internados (3451, quando o anterior era de 3367, a 7 de dezembro) e nos internados em cuidados intensivos (536, igualando o registo de 29 de novembro).


Comente esta notícia


SINES