José Luís Cacho, presidente da APS, disse na sessão solene de apresentação do plano estratégico do porto de Sines que o porto de Sines registou um crescimento de 8% desde o início do ano face ao período homólogo, no segmento da carga contentorizada.

No ano em que celebra 43 anos de existência, o porto de Sines pretende ser “a referência para o setor portuário europeu”, tendo recebido a colaboração de cerca de 280 ‘players’ ibéricos e internacionais para a elaboração do novo plano estratégico.

Pedro Nuno Santos, o ministro das Infraestruturas, presente na cerimónia, em Sines, destacou o importante papel que o porto pode desempenhar na industrialização do país.

"Temos de usar o Porto de Sines como um polo de desenvolvimento industrial do país", afirmou Pedro Nuno Santos. E prosseguiu dizendo que o Estado terá de ter um papel central nesta matéria, apontando como exemplo a estratégia nacional que tem sido apontada pelo governo na área do hidrogénio. "O país desenvolve-se quando o Estado toma a dianteira", sublinhou o ministro.

Pedro Nuno Santos considerou ainda que o Porto de Sines tem de ser capaz de enfrentar e ultrapassar o desafio da descarbonização, da digitalização e da industrialização.

Sines, sustentou por sua vez Álvaro Nascimento, "é o porto europeu com maior capacidade de crescimento". Tem é de saber usar as vantagens que tem a seu favor, nomeadamente como polo agregador dos múltiplos interesses à sua volta, sublinhou o académico.

"O Porto de Sines tem de ser uma estrutura dinâmica com capacidade de aportar desenvolvimento económico", apontou.

Álvaro Nascimento aponta o caminho. "Sines precisa de reforçar a capacidade de centralidade e conectividade não só física, mas também de infraestruturas de comunicação. Sines tem capacidade de se afirmar numa comunidade mais ampla", considerou.

Tiago Lopes Paulo, quadro dos Portos de Sines e do Algarve, e um dos responsáveis pelo estudo de opções estratégicas, defendeu que Sines tem de ter nos próximos três anos 3% da quota de carga ibérica, contra os atuais 1,7%.


Comente esta notícia


SINES