O líder dos comunistas falava aos jornalistas à margem de uma manifestação pelo emprego e contra a precariedade, que se realizou hoje em Sines, onde demonstrou a sua “solidariedade para com os trabalhadores”, em particular, os prestadores de serviços, no setor da manutenção, na refinaria de Sines da Petrogal.

 “Deixar trabalhadores sem empregos, sem salários e sem direitos numa empresa como a Petrogal, que vai continuar a necessitar de reparação, de revisão e de material, e recorrendo a empresa de trabalho temporário, fazer uma limpeza geral com todas as consequências sociais e laborais que tem uma medida desta natureza”, criticou.

Jerónimo de Sousa pediu a intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), “para verificar não só da legalidade, mas da moralidade de uma empresa desta envergadura que usa estes subterfúgios, através de uma empresa de trabalho temporário, para afastar muitos trabalhadores”.

A Marcha pelo Emprego, que reuniu cerca de 300 pessoas, foi convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul (SITE-Sul), que exige “a readmissão de todos os trabalhadores despedidos, o fim da precariedade e a passagem dos trabalhadores a efetivos nas várias empresas”.

O SITE-Sul defende ainda que “a cada posto de trabalho permanente, deve corresponder um posto de trabalho efetivo” garantindo estabilidade no emprego e que “deve ser dada preferência aos trabalhadores locais” no momento da admissão.

A atribuição do subsídio de desemprego para todos os trabalhadores sem qualquer exceção e o a atualização do valor hora pago a cada trabalhador para 21 euros, são outras das reivindicações do sindicato.


Comente esta notícia


SINES