O presidente da administração da Águas de Santo André (AdSA) anunciou nesta segunda-feira, 19, que a empresa vai investir 30 milhões de euros nos próximos anos em projectos de "modernização e resiliência" das suas infra-estruturas, "na economia circular e na eficiência energética".

Segundo Luís Faísca, serão "30 milhões de euros no reforço do investimento na região que irão traduzir-se num aumento da qualidade de vida das populações" que a empresa serve, "bem como, na preservação da qualidade do ambiente marinho e no aumento da robustez" da Zona Industrial e Ligeira de Sines (ZILS).

Nesse sentido, dos 30 milhões de euros de investimento previstos destacam-se a remodelação da ETAR de Ribeira dos Moinhos (12 milhões de euros), a construção da nova conduta Adutora de água industrial entre a ETA de Morgavel e o reservatório de Monte Chãos (10 milhões de euros) e a remodelação da ETA de Morgavel (quatro milhões de euros).

Estes investimentos foram anunciados durante a apresentação pública do Programa de Monitorização do Ambiente Marinho da zona costeira de Sines, que decorreu ontem.

De acordo com a AdSA, "este estudo decorreu entre 2018 e 2020 e incidiu na recolha de amostras de água e sedimentos no mar, para determinar o impacte tanto ao nível da qualidade da água, como da preservação dos eco-sistemas".

"Segundo o relatório final o meio aquático onde é efectuada a descarga proveniente da ETAR de Ribeira dos Moinhos, via emissário submarino, na zona costeira de Sines, tem uma elevada qualidade e diversidade ecológica dos habitats em todos os locais amostrados", acrescenta a mesma fonte.

Durante a cerimónia, o presidente da Câmara de Sines assumiu a relevância "da forte componente industrial e transporte marítimo de Sines", realçando os investimentos realizados nos últimos anos pela AdSA, em particular a modernização da ETAR da Ribeira dos Moinhos e a reparação do emissário submarino.

"Este programa de monitorização que hoje se apresenta é mais uma demonstração da responsabilidade da empresa AdSA para com o meio onde opera e quero felicitá-la por esta iniciativa", acrescenta Nuno Mascarenhas.

Já João Neves, administrador do grupo Águas de Portugal, a que pertence a AdSA, reiterou a vontade do grupo em aumentar a resiliência do sistema de abastecimento de água à indústria do complexo de Sines.


Comente esta notícia


SINES